Surpreenda-se com o lado mais fotográfico da Ilha de Fidel.

É preciso olhar um mapa mais detalhado e com atenção para perceber que Cuba não é apenas a maior ilha da América Central e Caribe, mas sim um enorme arquipélago com mais de 1.600 ilhas cercadas pelo cristalino mar caribenho. Parte delas são os “cayos”, definição local para ilhas planas e alongadas, com areia branquíssima e muitas vezes, ladeadas por recifes de coral. Os mais famosos são o Cayo Largo del Sur, a 177 quilômetros de Havana, e Cayo Coco, 550 quilômetros a leste da capital – ambos muito procurados por suas praias paradisíacas, bem mais remotas e bem menos cheias de turistas de locais como Varadero.

Com suas areias brancas e águas cristalinas, os cayos cubanos são a perfeita tradução da praia caribenha. O Cayo Largo é a segunda maior ilha do arquipélago de Los Canarreos, cuja ilha principal e muito bem conhecida dos mergulhadores do mundo todo é a Ilha da Juventude.

Se você procura agito, boates e muita gente, definitivamente este NÃO é o lugar pra você ir. Ali você só vai encontrar um conforto despretensioso, praias quase desertas, apenas cinco resorts e cada um com diversos restaurantes que servem diferentes tipos de refeições, ou no máximo, para mais privacidade ainda, algumas poucas casas para locar junto à marina do local. Natureza e distância do turismo de massa.

A ilha foi descoberta por Cristóvão Colombo em sua segunda visita ao Caribe, em 1494, tornando-se ponto de parada para grandes navegadores, como Sir Francis Drake em suas tentativas de circunavegação. Naturalmente, por sua localização geográfica e excelente proteção contra ventos e tempestades, por muitos outros navegadores, o que incluíam piratas e armadas diversas. Esta parte protegida fica ao norte da ilha, onde uma formação de mangue coralíneo forma verdadeiras lagoas calmas e transparentes. A parte sul da ilha é banhada pelo mar do Caribe em um dos locais onde atinge sua melhor visibilidade, o que normalmente beira os 40 metros.

A ilha passou a ser explorada para o turismo em 1982, com a construção de seu primeiro resort. Hoje são cinco hotéis, e como não há opções diversas de restaurantes, todos são All Inclusive, ou seja, com plano completo de alimentação, incluindo todos os tipos de bebidas. Fora dos hotéis, o único local habitado é em torno da Marina, onde pequenos apartamentos abrigam o pessoal que trabalha nos hotéis, normalmente num regime de 20 dias seguidos, depois voltando para seus locais de origem em Cuba para um descanso de 10 dias.

O clima em Cayo Largo é classificado como sub-tropical, ou seja, um eterno verão. As temperaturas variam entre 22 graus (de madrugada) até 30 graus (durante o dia). Como está ao sul de Cuba, é normalmente mais quente que na ilha principal. Existem duas estações definidas: a seca, que vai de novembro até maio, e a chuvosa, que vai de maio até outubro. Mas, mesmo na “chuvosa”, a precipitação é relativamente baixa, raramente chovendo durante o dia. Como em toda Cuba, os meses de julho a setembro são os mais críticos, devido a possibilidade de furacões.

MERGULHOS

Por tudo isso escrito até aqui, Cayo Largo vem ganhando um espaço muito disputado para os amantes do mergulho, já que trata-se de um local relativamente novo, numa ilha que não possui moradores fixos e vilarejos, sendo composta apenas pelos hotéis, além de alguns bares e restaurantes, estes dois últimos, na marina de onde saem as embarcações para passeios, pescarias, e claro, muitos mergulhos. Por estas características de “semi-isolamento”, o lugar tem corais, como podemos nos deliciar com as imagens desta matéria, muito bem preservados, o que atrai e mantém uma fauna riquíssima. Tanto é que o Campeonato Mundial de Fotografia Subaquática da CMAS voltará depois de muito tempo para Cuba em 2013, não por acaso, em Cayo Largo.

Como dissemos, há os mangues coralíneos ao norte, e um mar absolutamente claro e riquíssimo a oeste e ao sul da ilha. A água que chega normalmente aos 40 metros de visibilidade, tem uma temperatura de 27 graus entre novembro e março, mas chega facilmente aos 30 graus nos demais meses. Segundo os nossos guias de mergulho nesta trip, os meses de mar mais “quieto”, com as melhores visibilidades, vão de abril a junho, e depois novembro e dezembro. A CMAS escolheu para seu campeonato de foto o mês de maio. São estes os meses onde o mar está mais tranqüilo, com quase ausência de ondas, o que “abre” mais pontos de mergulho, já que se pode navegar sossegadamente até lugares mais remotos. Agora vale comentar que fomos em fevereiro, e realmente havia um pouco mais de vento e ondulação, mas absolutamente nada que nos tenha impedido de navegar até pontos extremos.

Em uma ilha com 25 km de extensão, e não mais que 3 km de largura, a quantidade de pontos de mergulho é imensa. São tantos, que nos propuseram que grupos vindos do Brasil (ou de qualquer lugar do planeta), podem dar seus nomes aos pontos, já que apesar de já estarem catalogados 32 deles, muitos ainda não foram sequer explorados. Nós tivemos inclusive o privilégio de mergulhar em um pedaço de mar do planeta terra, que não havia sido explorado por ninguém que usasse uma máscara !

Em cinco dias, visitamos 12 pontos de mergulho, com navegações que variaram de 15 até 45 minutos, em lanchas muito confortáveis e com bom espaço. As operações foram muito bem conduzidas pelo “Pepe”, instrutor e um dos melhores fotógrafos de Cuba. Isso nos garantiu os melhores pontos para fotografar e mostrar aos leitores toda a diversidade que Cayo Largo proporciona, dos menores seres “escondidos” nos corais, as raias, cardumes de peixes locais e de passagem, pequenas formações em areias estupendamente brancas até paredes gigantes, grutas coralíneas que se iniciavam aos 12 metros e saídas no azul, próximo dos 40 metros de profundidade. E até um Blue Hole, que na verdade trata-se de uma caverna marinha de grandes proporções, com entrada aos 8 metros de profundidade, mas que em torno dos 30 metros abria-se em um grande salão. Claro, este ponto para mergulhadores técnicos, possuindo equipamento e técnica corretas para explorá-lo.

O Cayo Largo Dive Center que fica na Marina Cayo Largo Del Sur, é administrado pela Marina e pela Avalon, contando com 40 equipamentos completos e 220 cilindros de alumínio S80, com conexões DIN e Internacional. São quatro lanchas que atendem entre 12 e 18 mergulhadores, ou seja, uma capacidade para até 60 mergulhadores, em 3 horários diferentes de partidas diárias, que podem ser para até 3 mergulhos (quando visitam-se os pontos mais distantes, como Cayo Rosario, Blanco e Sigua). Os transfers dos hotéis até a Marina são realizados por vans ou pequenos ônibus, e sempre um dos 6 instrutores locais acompanham os mergulhadores desde a recepção do hotel até o Centro de Mergulho.

Existem três “zonas”de mergulho, a primeira, próxima ao Cayo principal, com corais e canais misturando areia muito branca com formações baixas, que variam de 18 até 33 metros de profundidade, formando as pequenas “montanhas”de corais. Peixes coloridos, estrelas, corais cérebros, lagostas, caranguejos, moréias e tartarugas sãos os moradores fixos destes pontos. Próximo a Cayo Rosário, a oeste e quase 30 quilômetros da base de operações fica a segunda zona. Alem da vida já citada, grandes cardumes de peixes são encontrados em labirintos e grutas coralíneas. A terceira zona fica a nordeste, nos Cayos Sigua e Blanco. Aqui são muitas paredes que atingem facilmente os 200 metros de profundidade, e onde encontramos muitas colônias de coral negro, esponjas tubulares e em forma de cestos gigantes. Completam o que se vê nestes mergulhos barracudas, garoupas e badejos, raias chitas e pequenos tubarões de recife.

Pontos de mergulho em destaque: 

Cañon De Martin – Aquario I e I. Como o nome diz, um verdadeiro aquario natural com milhares de peixes de todas as espécies, um ponto relativamente raso não passando de 20 metros de profundidade.

(Cayo Rosario) Labirinto – Tony Point. Um mergulho bem interessante para quem curte fotografia macro, em local bem abrigado e sem correntes é possível passar 1 hora e meia se deleitando entre nudibrânquios, caranquejos e toda espécie de miudezas.

Melissa – Ballenatos. Dois pontos onde você pode encontrar raias xitas e tarpões, com uma profundidade máxima de 18 metros. É um excelente local para fotografia.

(Cayo Blanco) Agujerro del Diablo. Um dos melhores pontos da região. Inicia-se o mergulho por entre uma fenda no topo do recife que vai simplesmente se abrindo e pode chegar a mais de 400 metros de profundidade, seguindo adiante mantendo uma profundidade máxima de 35 ou 40 metros com o abismo abaixo, saimos em uma parede alucinante e colorida onde é possível avistar simplesmente qualquer coisa, enormes cardumes de xareus, barracudas, tubarões e peixes de passagem, imperdível !

Manos de Dios. Também em Cayo Blanco esse ponto é composto de um recife e uma parede que começa aos 18 metros de profundidade e despenca em um abismo azul que possibilita todo tipo de encontros, mais próximo ao reef é possível avistar tartarugas e pequenos tubarões lixa.

Blue Hole. Uma caverna submarina que começa nos 12 metros de profundidade onde inicia-se uma descida por um duto até os 40 metros, onde um enorme salão dá entrada para mais um duto que despenca parede adentro, será objeto de novas incursões uma vez que nunca foi explorado, devido a falta de equipamento adequado e misturas de gases mais apropriadas para realizar o mergulho.

VÁ DESCANSAR EM CAYO LARGO

Como percebe-se numa caminhada pela orla entre hotéis, não é só de mergulho que vive Cayo Largo. A costa extende-se por pelo menos 20 km de praias ininterruptas, com algumas absolutamente paradisíacas, como Sirena e Paraíso, na extremidade oeste da ilha. Os hotéis programam os passeios que podem ser de dia todo. Neste caso, o hotel disponibiliza ao hóspede um kit com frutas, água, sucos e sanduíches. Em Sirena há pequenos quiosques para as bebidas, e no mais, espreguiçadeiras e guarda sóis para curtir, banhos de mar e se bronzear de frente ao mar do Caribe.

Mesmo que alguém não mergulhe, uma máscara e um snorkel são quase que obrigatórios, pois é uma praia onde pequenos corais em suas extremidades proporcionam um fundo muito colorido, com muita vida, o que inclui tartarugas, já que é uma das praias caribenhas com a maior quantidade de deposição de ovos em certos períodos do ano. Já Paraíso é uma praia que pode-se praticar o nudismo, num lugar mais isolado um pouco que Sirena, mas há um pouco mais de um quilômetro uma da outra.

Completam as praias de areias branquíssimas Lindamar, Blanca, Tortuga e Los Cocos.

Além disso, os hotéis têm todos espaço para as crianças, com recreadores aptos para deixar a turminha “cansada” ao final do dia. Programações a beira das piscinas, shows de música cubana, piano em alguns dos restaurantes e ótima comida. De uma forma geral, todos os hotéis possuem uma configuração de restaurantes parecidas. Há cafeterias, pizzarias, um grande restaurante de cozinha internacional (o que sempre serve o café da manhã, além de almoço e jantar com mais opções de pratos), e um ou dois restaurantes típicos. Por exemplo, há dois hotéis que possuem um restaurante a beira mar com pratos baseados em frutos do mar. Há um deles com restaurante italiano. Nestes, o hóspede faz reservas antecipadas, com horário marcado, e deve se atentar para usar calças compridas (os homens). Charme e boa comida a brisa do mar do Caribe.

VAI LÁ & AGRADECIMENTOS

Como em toda Cuba, a maioria dos turistas dos cayos é formada por canadenses e europeus, predominantemente italianos, mas também britânicos, alemães e franceses. Boa parte dos visitantes de Cayo Largo viaja direto à ilha sem nem pisar em Havana, ou em Cruzeiros, ou através de vôos diretos que vem do Canadá, da Itália e da Argentina. Fora destas origens, o normal é chegar até Havana, e de lá, a partir do Aeroporto Nacional, voar até Cayo Largo com a Cubana de Aviación ou com a Caribean Air. Há uma outra opção, um Ferry Boat no sul da Ilha de Cuba, que leva em torno de uma hora e meia de navegação.

Para os brasileiros, que têm visitado com mais freqüência Cayo Largo, as melhores opções são chegar a Cuba através do Panamá, pela Copa Airlines, ou de Lima através da TACA, e claro, não deixar de ficar pelo menos dois, idealmente três dias em Havana. São muitas histórias, música, arquitetura e cultura. Mas estas, são outras histórias, no futuro, aqui nas nossas páginas.

Seu Dive Center poderá lhe passar mais informações e lhe proporcionar um pacote completo para conhecer este pedaço de paraíso em Cuba.

Nossa viagem foi patrocinada pela Azul Profundo e pela Cubatur. Agradecimentos especiais ao pessoal do hotel Sol Cayo Largo, e ao Pepe e ao Borys pelo grande apoio em nossos mergulhos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *