Texto e fotos: Kadu Pinheiro

Embarcamos para uma expedição rumo a esse paraíso submarino, um esparso e isolado grupo de quatro ilhas vulcânicas pertencentes ao México. Localizam-se no Oceano Pacífico, a cerca de 390 km ao sul de Cabo San Lucas, na Baja California Sur, também conhecidas como as Galápagos mexicanas e comparada com a Ilha cocos na Costa Rica, devido as oportunidades de grandes encontros com diversos tipos de pelágicos, essas quatro ilhas tem um valor ecológico inestimável. 

Já havia ouvido falar muito bem dessas ilhas, com suas arraias mantas dóceis e curiosas, presentes em quase todos os mergulhos, esse seria o ponto forte da viajem, as mantas, só não esperava os encontros tão intensos com cardumes de martelos, golfinhos, tubarões de diversas espécies, baleias e toda a fantástica fauna marinha que pude observar em uma semana de mergulhos e que agora compartilho aqui com vocês.

Chegamos no início da tarde na marina em Cabo San Lucas, equipamentos, vistos, autorizações e outras burocracias resolvidas, e zarpamos no fim da tarde rumo a San Benedicto, a primeira das 3 ilhas que fariam parte de nosso roteiro, o grupo no barco era composto em sua maioria de europeus, com destaque pela presença do editor da DYK revista de mergulho escandinava, Jesper Kjøller e do fotógrafo Australiano Justin Gilligan, colaborador fixo de várias revistas como a Ocean Geografic, uma das mais importantes publicações asiáticas de mergulho, é sempre enriquecedor compartilhar uma semana de mergulhos com profissionais de outros países, sempre descobrimos novos destinos a serem explorados trocamos figurinhas e de certa forma criamos um vínculo de amizade que abre muitas oportunidades, aguardem em breve muitas matérias vindas dos Balcãs.

San Benedicto

Após 24 horas de navegação chegamos a essa ilha que tem uma paisagem lunar diferente de tudo que eu já tinha visto, foi completamente destruída pela erupção do vulcão Bardena nos anos de 1952.

A ilha é desabitada e quase completamente desprovida de fauna e flora, após achar uma área tranquila no lado abrigado da ilha ancoramos o barco e nosso mestre cozinheiro nos brindou com um churrasco mexicano, com direito a tortillas, burritos e muita carne, reserva de energia para os dias de mergulho vindouros, saboreamos o churrasco na proa do barco contemplando um magnífico por do sol, com um show particular de baleias jubartes saltando no horizonte.

O principal ponto de mergulho da ilha é o “the Boiler” um pináculo submerso famoso pela agregação de mantas gigantes do pacífico (Manta birostris e a recém descoberta Manta alfredi) que chegam a medir 7 metros de envergadura e que fazem dessa área sua residência.

Ao cair  na água, não precisamos esperar muito tempo até avistar os primeiros indivíduos, um detalhe adicional; as mantas maiores e mais velhas são muito mais receptivas e curiosas, gostam de interagir com os mergulhadores e costumam nos acompanhar durante o mergulho inteiro, já os indivíduos mais jovens, são mais arredios mantendo uma certa distância dos mergulhadores. 

O jeito mais fácil de interagir com elas é fazer de conta que não as viu e nadar na direção oposta ou paralela a elas, se formos nadando em sua direção o animal vai desviar e nadar no sentido oposto, mantenha a calma e não seja afoito, não encoste nele pois podemos transmitir bactérias e fungos que o prejudicam, vários indivíduos apresentam feridas causadas por remoras que podem se infeccionar ao nosso contato. 

Avistamos também diversos cardumes, tubarões de galápagos, galhas brancas de recife, e sempre ouvindo o canto das baleias que nos rodeavam muito próximas, todos os mergulhos em San Benedicto são geralmente feitos no boiler, a mudança de ponto só ocorre no caso das condições de mergulho não serem favoráveis nesse ponto, no segundo dia de mergulho fui brindado com a breve companhia de uma baleia jubarte e sua cria que passaram bem próximos do ponto onde eu estava, inesquecível !! 

Ilha Socorro

A noite zarpamos em direção a Ilha Socorro, segunda parada da nossa “trip”, na ilha existe um vulcão ativo o monte evermann com seu pico a 1130 metros de altitude, que teve a sua última erupção no ano de 1993, em setembro de 1997 a região também foi palco de um dos maiores e mais fortes furacões registados na história a ilha foi atingida pelo Linda.

A ilha possui uma base militar onde vivem cerca de 250 pessoas, é parada obrigatória para uma visita de inspeção, para checar se tudo está de acordo com as regras do parque, realizamos os mergulhos em um ponto chamado aquário, sempre com a presença de mantas e golfinhos da espécie nariz de garrafa, nos intervalos entre os mergulhos sempre saíamos para tentar nos aproximar das baleias jubarte, mas na maioria  das vezes quando o bote se posicionava e caiamos na agua as baleias saiam em disparada, a única presença constante nessas horas eram os tubarões silkys que logo se aproximavam ao detectar movimento na superfície. 

Um estudo feito por cientistas que acompanham a 12 anos as baleias jubarte na área do arquipélago chegaram a conclusão que as baleias estão se acostumando a presença dos barcos de mergulho na região e interagindo cada vez mais com os mergulhadores 

Roca Partida

Roca Partida é uma pequena formação localizada a oeste de Socorro e San Benedicto, cerca de 250 quilômetros ao sul de Cabo San Lucas.

Com apenas 115 metros de altura e 300 metros de ponta a ponta, é a menor ilha do Arquipélago de Revillagigedo, a aparência externa não revela muito, mas é abaixo da linha d’agua que a ilha mostra todo seu explendor, a parede cai direto para águas muito profundas, existem várias grutas e plataformas que dão refúgio a congregações de galhas brancas de recife. Dependendo da corrente, é possível percorrer a circunferência do pináculo várias vezes no decurso de um único mergulho. 

Outras vezes é possível se afastar da parede e assistir ao desfile de cardumes de atuns, albacoras, wahoos e tubarões, além da presença ocasional de tubarões baleia e baleias jubarte.

Ao retornarmos fizemos mais um dia de mergulho em Socorro em um ponto diferente: cabo “Fear”, ou cabo medo, um nome bem sugestivo se levarmos em consideração ser o ponto famoso pela maior possibilidade de avistar tubarões tigre.

Em San Benedicto fizemos os últimos mergulhos da “trip” e fui presenteado com um cardume imenso de tubarões martelo, após uma longa espera e diversos pequenos cardumes muito arredios, consegui entrar em meio a um grande grupo com mais de 150 indivíduos e fotografa-los bem de pertinho, pura emoção.

Também faz parte do arquipélago a Ilha Clarion, que não é visitada normalmente nas operações de mergulho devido longa distância de navegação, mas que segundo os instrutores locais com quem conversei tem mergulhos incríveis, quem sabe será uma nova fronteira a ser desbravada ?

Um importante trabalho de pesquisa e tageamento de mantas é realizado pelo Biólogo e instrutor de mergulho Erick Higuera, que vem registrando todos os indivíduos e mapeando sua posição nos últimos anos.

Melhor época:

Novembro a maio, devido às condições meteorológicas. De janeiro a abril a água costuma ser mais fria sendo a melhor época para avistar as baleias, mas não se preocupe o mergulho é excepcional durante o ano todo, a presença de mantas e tubarões é quase garantida.

Como: Voando de Aeroméxico com escala na Cidade do México 

Moeda: Dólar Americano é aceito em todos os estabelecimentos

Visto: Brasileiros com visto americano não precisam de visto para o México, para maiores informações consulte o consulado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *