Texto e fotos: Kadu Pinheiro

Bonaire é um destino que cuida do ambiente, oferecendo atividades emocionantes de eco-aventura para a diversão de toda a família, tais como: snorkel, windsurf, caiaque, observação de aves, ciclismo de montanha, rapel, caverna, mergulho, entre outras.

Descobrindo Bonaire

Com a missão de escrever um completo e refinado artigo sobre Bonaire, preparei meus equipamentos fotográficos e de mergulho e rumei para essa ilha que a tempos sonho conhecer, muito se fala sobre Bonaire, sobre a facilidade com que se realizam os mergulhos de praia, sobre a hospitalidade da Ilha e sobre as belezas naturais de suas águas, agora falando sério, ouvir falar muito sobre um destino cria uma expectativa nem sempre correspondida, ainda mais para alguém que já viajou pelos 4 cantos do mundo, mas Bonaire, me surpreendeu, sempre me intrigou a quantidade de artigos escritos e a paixão de alguns amigos e fotógrafos por essa pequena ilha caribenha, agora pude conferir com meus próprios olhos e lentes o porque desta ilha conquistar tantos corações e do por que os mergulhadores brasileiros considerarem a ilha seu quintal de casa.

A convite do TCB (Tourism Corporation Bonaire) e devidamente hospedado no Plaza Resort Boniare, iniciei minha visita e minha exploração pela ilha, contando com uma pick-up gentilmente cedida pela Budget rental car, aliás na minha opinião a melhor maneira de conhecer a ilha em todos seus aspectos é alugando um carro, apesar de existirem opções de pacotes apenas com saídas embarcadas, o verdadeiro espírito da ilha é o drive and dive.

Originalmente Bonaire era um dos cinco territórios insulares das Antilhas Holandesas; junto com Aruba e Curaçao 

A partir do dia 10 de outubro de 2010, as Antilhas deixaram de ser uma entidade política unificada, Bonaire, Saba e São Eustáquio tornaram-se municípios Holandeses, enquanto as ilhas de Curaçao e Saint Martin se tornaram estados independentes da Holanda.

Bonaire tem uma superfície de 288 km² (111 milhas quadradas), enquanto Klein Bonaire tem 6 km² (2,3 milhas quadradas), uma pequena ilha desabitada que possuí um recife de corais bem preservado e que depois do furacão que atingiu a ilha a alguns anos ficou parcialmente devastado, e somente agora apresenta bons sinais de recuperação.

População: Segundo o último censo, a população era de 14.006 habitantes em dezembro de 2006.

A ilha está rodeada por um mágico arrecife de coral que é facilmente acessível a partir da costa ao longo dos lados ocidental e meridional, aspecto que encanta os amantes dos esportes aquáticos. Além disso, todo o litoral da ilha foi declarado um santuário, para a preservação da vida marinha e seu ecossistema.

A ilha está repleta de trilhas e caminhos pelos quais você chega às maravilhas do seu interior: lagos de águas salgadas, como o Lago Goto, lar de 20.000 flamingos; ou a flora e a fauna nativa, protegida no Parque Nacional de 55 km2 criado em 1969 que abriga mais de 195 espécies de aves.

Os idiomas oficiais são o holandês, o papiamento e o inglês. O Inglês se tornou língua oficial das Antilhas Holandesas em março de 2007. Na prática, o espanhol e o inglês são amplamente falados na ilha, mas o interesse turístico permitiu ampliar suas fronteiras de idiomas, encontrando-se facilmente pessoas que dominam muitas outras línguas como o português, o francês, o italiano, entre outras.

Na Ilha de Bonaire o movimento da economia baseia-se principalmente no turismo. Fiéis zeladores do seu ambiente, o governo trabalha em conjunto com os investidores turísticos e comerciais da ilha, no cuidado e manutenção do ambiente natural, possuidor do encanto que atrai os turistas do mundo, particularmente recebe mergulhadores e nadadores em seus arrecifes que rodeiam a ilha e são de fácil acesso a partir da costa. Bonaire é conhecida mundialmente pelo excelente mergulho e constantemente é classificada entre os melhores lugares de mergulho do mundo. Abrindo seus espaços, no sudeste o visitante encontra águas mais profundas e bom vento, portanto é considerado um excelente lugar para navegantes de nível intermediário. Para os aventureiros que desejarem melhorar suas habilidades no Kitesurfe têm seu espaço garantido em Lac Bay, no lado oriental da ilha, é o paraíso do windsurfe. Taty Frans Tonky junto com outros locais foram classificados em 2004 entre os top 05 atletas de free style no windsurfe mundial.

Hoje em dia, o esforço unificado para o saudável crescimento da ilha oferece ao visitante novas atividades como o ciclismo, espaços para descansar e relaxar, atividades para as famílias e para os pequenos também; uma variedade gastronômica que encanta o seu paladar, noites de atividade e lazer, destacando-se, também, como destino romântico no Caribe.

Referência Histórica de Bonaire

Por sua localização como ponto chave no Mar Caribe refere na sua história a influência de muitas culturas; existem vestígios de restos arqueológicos da cultura de índios caquetios encontrados em lugares ao nordeste de Kralendijk, acreditando-se que possam ter chegado de canoa. Em 1499, Alonso de Ojeda descobriu Curaçao, acompanhado por Américo Vespúcio e Juan de la Cosa, chamando-o de Ilha do Pau Brasil ou “Ilha do Brasil”. Os conquistadores espanhóis decidiram que as ilhas não tinham interesse de exploração. A partir de 1526, Juan de Ampiés trouxe alguns dos habitantes originais índios caquetios a Bonaire e a Curaçao; também foram importados alguns animais domésticos da Espanha como cabras, cavalos, vacas, burros, entre outros, principalmente para os setores de Rincón.

Em 1623, a West India Company, companhia holandesa, mostra seu interesse de abastecimento para obter carne, água e madeira de Bonaire. Os holandeses e os espanhóis lutaram desde 1568 até 1648 na Guerra dos Oitenta Anos. Em 1633, os holandeses, após ter perdido a ilha de San Martin para os espanhóis, tomaram represálias atacando Curaçao, Bonaire e Aruba.

A ilha de Bonaire foi conquistada em março de 1636. Os holandeses construíram o Forte Orange em 1639. Nessa época, um pequeno número de escravos africanos foram postos a trabalhar junto com os índios e os condenados em uma plantação de pau-brasil e de milho, além de trabalharem na coleta de sal.

Refúgios construídos totalmente de pedra e muito baixos para um homem estar de pé nele ainda permanecem na zona de Rincón ao longo das salinas como uma triste lembrança do passado de Bonaire e muitas culturas.

Os países Baixos perderam o controle de Bonaire duas vezes, uma vez de 1800-1803 e novamente de 1807 a 1815. Tempo no qual os britânicos tinham o controle da vizinha ilha de Curaçao e Bonaire, tempo em que dá início à constituição de Kralendijk. Graças ao trabalho anglo-holandês de 1814, retorna a dominação dos Países Baixos.

Após uma longa espera, muitos escravos foram sendo libertados aos poucos e se tornaram homens livres com a obrigação de prestar alguns serviços ao governo. O restante dos escravos foi libertado em 30 de setembro de 1862 no marco do regulamento de Emancipação. Muitos habitantes se viram obrigados a trasladar-se a Aruba, Curaçao e Venezuela no final desse século, pois as terras foram vendidas a particulares.

Durante a Segunda Guerra Mundial o exército norte-americano construiu o aeroporto Flamingo, uma base aérea. Depois que a Alemanha invadiu os Países Baixos em 10 de maio de 1940, muitos cidadãos holandeses e alemães foram internados em um acampamento em Bonaire durante a guerra. Depois da guerra, a economia de Bonaire continuou se desenvolvendo. O aeroporto tornou-se de uso civil e começou a construção hoteleira na ilha. A produção de sal foi retomada em 1966. Bonaire Petroleum Corporation (BOPEC), a terminal petroleira, foi aberta em 1975 para o óleo de transbordo.

Até os dias de hoje mantém sua beleza natural disposta a receber todos os que quiserem usufruir do seu encanto.

A Ilha

Considerada um paraíso dos mergulhadores, Bonaire é uma ilha localizada na parte sul do Caribe, sob a administração do governo holandês, e que está próxima da Venezuela, onde encontramos um mar extremamente calmo, com águas claras e quentes, propiciando excelentes mergulhos para todos os níveis. A ilha faz parte do ABC do Caribe, sendo a segunda maior ilha na região.

Toda a costa que contorna a ilha foi declarada oficialmente um parque marinho, e os mergulhos são ilimitados, podendo-se entrar na água a qualquer hora do dia ou da noite. Na ilha, mergulha-se 24h, bastando pegar os cilindros, parar o carro em uma das dezenas de praias e entrar na água.

Ao longo de todo o ano a temperatura média da água gira em torno dos 27°C e a visibilidade, por volta dos 20m a 30m. Com 60 dos 86 pontos de mergulho oficiais localizados junto a ilha, são facilmente acessíveis pelos mergulhadores saindo pelas praias, o que fez a ilha de Bonaire ser reconhecida como um dos principais destinos de mergulho de costa do mundo.

Basicamente, quase 100% dos mergulhos são realizados saindo de praia, pois não há ondas e correntezas na parte interna da ilha. Os pontos de mergulho são identificados através de pequenas pedras amarelas com o nome do local escrito na cor preta. Basta pegar o mapa, parar o carro e ir mergulhar. É muito comum também, encontrar mergulhadores com idade avançada, devido as facilidades em se praticar o mergulho neste local.

Mergulhos

Encontra-se muita vida marinha, água quente, calma e extremamente clara. Durante os mergulhos nos mais de 60 pontos existentes e devidamente identificados nos mapas, o mergulhador poderá avistar desde pequenos seres até tartarugas, tarpões e arraias xita. 

O fundo de Bonaire é o que chama de multicolorido, face a diversidade de cores dos corais, seres e peixes que habitam o local. É como mergulhar em um grande aquário marinho, esquecendo a hora, o stress e a loucura do nosso dia a dia.

Na ilha existem naufrágios, como o Hilma Hooker, que naufragou em 1984, sendo um dos naufrágios mais famosos e visitados do mundo.

O HILMA HOOKER 

Hoje repousando a cerca de 30 metros de profundidade, o Hilma Hooker não é um ponto de mergulho somente para aqueles que tem paixão por mergulho em naufrágio, é um local para todos os mergulhadores, pois tornou-se um verdadeiro oasis de vida, no fundo arenoso de Bonaire

A História do Hilma Hooker

Construído na Holanda no ano de 1951, esse cargueiro foi renomeado diversas vezes (uma prática que é ligada à má-sorte na cultura naval), tendo sido anteriormente Doric Express, the Anna, the William Express, the Mistral and the Midsland. Seu último registro foi como Hilma Hooker e navegava com bandeira Colombiana.

A apreensão

Em 1984, o Hilma Hooker teve problemas de perda de potência nos motores, acabando por atracar no porto de Bonaire, as autoridades das Antilhas Holandesas estranharam a falta de documentação do navio, tal qual seu manifesto de carga, e resolveram promover uma inspeção a bordo.

Durante a mesma foi encontrado um fundo falso aonde escondiam-se mais de onze toneladas de maconha, o que levou o navio a ser apreendido no porto e sua tripulação presa. Como não foi possível encontrar o verdadeiro dono do navio, o mesmo ficou ancorado em Bonaire, gerando gastos para a autoridade portuária da Ilha.

O Naufrágio

Em setembro de 1984 as autoridades decidiram que seria melhor ancorar o navio sobre o fundo arenoso entre dois bancos de corais na costa da ilha, próximo à Angel City, neste mesmo mês o navio afundou. Algumas pessoas dizem que a falha de uma das bombas que retirava água que vinha por um dano ao casco fez com que o cargueiro naufragasse, outros dizem que mergulhadores locais compraram-no da autoridade portuária e o afundaram e existem aqueles que dizem que o naufrágio foi uma operação proposital e ilegal, com o intuito de se produzir um novo ponto de mergulho.

O Mergulho

Com seu estibordo, lado direito, repousando no fundo do mar, este naufrágio oferece um grande mergulho, para todos os nívels de mergulhadores, começando aos 16 metros de profundidade e indo até os 30, é possível fazer excelentes mergulho apenas na área externa do naufrágio, com muita vida, tarpões, arraias e barracudas são facilmente avistados ao redor do navio.

Para quem tem especialidade de naufrágio, existem diversos pontos de penetração, onde dois mergulhadores passam lado a lado, com ótima visualização do interior do navio que está bem conservado, a ponte de comando é uma atração a parte.

é possível realizar penetrações mais técnicas indo até a sala de máquinas e outras áreas do navio menos acessíveis, lembrando que para tal é importante possuir treinamento adequado e muita experiência, tivemos a oportunidade de explorar alguns compartimentos do navio com muita tranquilidade o que resultou em ótimas fotos.ygt

Pontos de destaques

Salt Pier:

Devido a questões de segurança, este mergulho que requer autorização da autoridade portuária e acompanhamento de divemaster. As colunas que sustentam o píer e os peixes que vivem entre elas são as grandes atrações deste mergulho. Barracudas, tarpões e cardumes de xaréus estão sempre ao redor. Esponjas em forma de cesta e árvores de corais-moles decoram as colunas. A luz do sol através dos pilares cria um lindo visual para fotos grandeangulares. O mergulho noturno neste local também é excelente.

Angel City: 

Este ponto de mergulho caracteriza-se por um recife duplo localizado na costa sudoeste da ilha, ao lado Hilma Hooker. O mergulho é caracterizado por uma área arenosa a 18 metros de profundidade. O recife duplo encontra-se repleto de fendas e cavidades habitadas por uma grande variedade de vida marinha. O nome do ponto Angel City se deve à grande proliferação de peixes-anjo que fazem deste local o seu lar. Este local apresenta uma excelente topografia de fundo, correntes leves e uma paisagem subaquática fascinante.

Fauna e Flora: Além dos peixes-anjo, podemos também observar esponjas, corais, gorgonias, plumas-do-mar, chicotes-do-mar, línguas-de-flamingo, nudibrânquios, cabozes, rainhas-das-conchas, ratões e enguias de areia.

1000 Steps:

Este ponto de mergulho caracteriza-se por um recife que se localiza na costa Noroeste da ilha de Bonaire. este ponto é provavelmente o mais famoso de Bonaire devido à sua excelente visibilidade e abundância de vida marinha. Este local foi nomeado 1000 Steps devido à escadaria com 64 degraus que os mergulhadores de costa terão de descer até chegar à água. Depois do mergulho os 64 degraus parecem ser 1000 no caminho de volta para cima.

Fauna e Flora: Em termos de fauna e flora, as espécies mais comuns são corais, esponjas, peixes papagaio, frade, cirurgião, cirurgião listado, peixes-porco, peixes-cofre e trombetas.

Karpata:

Nesse ponto a entrada e a saída do mergulho requerem um pouco mais de atenção por parte do mergulhador, uma escadaria com cerca de vinte degraus leva ao ponto de entrada, onde há uma pequena plataforma frequentemente encoberta por ondas. procure entrar no mar pelo lado direito e utilize a plataforma como apoio para calçar as nadadeiras. o fundo, é bem pedregoso cuidado para não torcer o pé. Assim que alcançar uma profundidade em que fique confortável é só inflar o colete, deitar na água e sair nadando. O esforço vale a pena: o paredão começa a pouca distância da costa e cai quase na vertical para além dos 50 metros, bem recoberto por tufos de esponjas-vermelhas e tubulares, gorgônias gigantescas, árvores de corais-moles, anêmonas e variedade absurda de invertebrados. É comum avistar tartarugas, barracudas e peixes-papagaio de grande porte neste local, uma grande corrente começa nos 18 metros e segue até o abismo, ficou a curiosidade de saber até onde ela me levaria…(parei nos 55)

Buddy’s Reef: esse é um dos pontos mais conhecidos de Bonaire o reef logo a frente do Hotel Buddy Dive, lar de tarpões e peixes sapos, é uma ótima pedida para o noturno, muito bem sinalizado e com cabeamento até o pier do hotel onde é possível entrar e sair com conforto usando as escadas de acesso.

Alice in Wonderland: 

O mergulho caracteriza-se por um recife que se localiza na costa Sudoeste da ilha de Bonaire, perto de Angel City. A encosta desce até uma área arenosa a 24 metros até atingir o recife que se inclina até os 30 metros de profundidade. Há também um canal arenoso habitado por uma grande variedade de vida marinha. Este local está sujeito a correntes fortes, portanto redobre os seus cuidados. 

Invisibles:

O mergulho começa em um platô de areias brancas, que se estende por cerca de cem metros em direção ao mar aberto. Neste percurso é comum cruzar com cardumes de lulas, que alias deram um show a parte durante meu mergulho aqui, raias-chitas e raias-prego camufladas na areia também são comuns, antes de chegar à parede, há um jardim de corais e, logo depois, a profundidade cai repentinamente dos 12 para os 30 metros. Seguindo na direção sul, um canal de areia divide o recife. As formações neste local são diferentes de qualquer outro ponto de Bonaire, por que o recife não é continuo e forma grandes cabeços, que parecem ilhas sobre a areia. Normalmente, o segundo recife é avistado deste canal, com o topo aos 24 metros e caindo novamente pelo lado de fora para baixo dos 45 metros. 

Neste local é frequente a presença de grandes cardumes de xaréus, sardinhas e barracudas. As paredes são recobertas basicamente por corais pétreos. No fundo de areia entre os cabeços há diversos “jardins de enguias”. A visibilidade da água no local é top 10

18th Palm:

Localizado em frente ao Plaza Resort, este recife tem algumas características únicas visto que se inclina até uma superfície arenosa com um declive de areia a Sul. Ao percorrer esta superfície encontrará outro recife a cerca de 24 metros de profundidade. Neste recife encontrará espécies de maiores dimensões. Este é um local ideal para fotografia subaquática devido à excelente visibilidade e abundância de vida e vegetação marinha presente nesta área de mergulho.

Fauna e Flora: Em termos de fauna e flora, as espécies mais comuns são esponjas, corais, gorgónias, plumas-do-mar, chicotes-do-mar, línguas-de-flamingo, vermes árvore-de-natal, tarpões, lírios, raias-leopardo, caranguejos-aranha, caranguejos eremitas, lagostas, camarões e frog fish.

Além dos pontos descritos acima Bonaire possui uma infinidade de outros pontos e basicamente os mergulhos são feitos em paredões, onde a profundidade pode variar entre 3 e 45m.

Os mergulhos noturnos são muito tranquilos e para os técnicos, é possível visitar o naufrágio Windjammer, que está a 60m de profundidade e requer embarcação e um guia para visitá-lo.

Ao lado de Bonaire há uma ilha chamada Klein Bonaire, que é inabitada, porém, bem visitada pelas embarcações de mergulho, o lado de fora de Klein Bonaire possibilita encontros com pelágicos e até pequenos tubarões se tiver alguma sorte.

Sorobon (East Coast)

No outro lado da ilha, também conhecido como “mar de fora” , praticamente não se mergulha saindo de praia, devido às condições do mar serem bem agitadas, onde é feita uma operação de mergulho saindo com um enorme bote inflável, no mais puro estilo Seals (marinha americana), são no máximo 5 minutos de rock in roll total, saltando ondas e com mar bem agitado, depois um mergulho em drift, com possibilidade de avistar muita vida grande, tartarugas aos montes, contei mais de 30 em um único mergulho, arraias xitas, tarpões em quantidade e até tubarões são facilmente vistos nesse lado da ilha, para quem gosta de aventura esse mergulho é obrigatório.

Cavernas

Bonaire também possuí algumas cavernas maravilhosas, onde se pode mergulhar com snorkel acompanhado de guias locais, para mim que sou mergulhador de caverna tenho certeza que existe muito mais a ser explorado na ilha em termos de mergulho técnico e cave, muitas conversas e muita expectativa para uma futura expedição de exploração.

Hotéis:

  • Plaza Resort
  • Dive Flamingo
  • Eden Beach
  • Buddy Dive
  • Sand Dollar
  • Habitat
  • Sun Rentals
  • Sorobon
  • Locadora de carro (Budget)
  • City Café – Happy hour

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *